USP investiga ressurgimento do vírus sabiá após 20 anos


source
USP investiga ressurgimento do vírus sabiá
Assessoria de Comunicação da FMUSP

USP investiga ressurgimento do vírus sabiá


Cientistas da Universidade de São Paulo divulgaram nesta segunda-feira dados preliminares de uma pesquisa sobre o Brazillian mammarenavirus, ou vírus sabiá. A incidência da virose voltou a ser registrada no Brasil após mais de 20 anos sem qualquer pessoa infectada. De alta letalidade, o vírus provoca a febre hemorrágica brasileira.

Os casos mais recentes ocorreram em 2019 na zona rural de São Paulo, quando dois homens morreram poucos dias após o diagnóstico. Ambos tiveram sintomas como febre, dores musculares e abdominais, tontura e prostração. De acordo com dados preliminares do estudo, divulgados pelo site da USP, uma das hipóteses de transmissão é a “inalação de partículas virais, talvez de fezes de roedores”.

“Inferimos, baseados nos outros Mammarenavirus da América do Sul, que provavelmente a pessoa se contamina por inalação de partículas virais, talvez de fezes de roedores. Mas isso não está comprovado justamente porque temos pouquíssimos casos descritos”, disse a médica Ana Catharina Nastri, da Faculdade de Medicina da USP.

Como os casos registrados foram em áreas rurais, com menos recursos laboratoriais e de diagnóstico, a médica acredita que alguns casos não tenham sido registrados. Isso impossibilita um panorama completo da febre hemorrágica brasileira.

“Não sabemos se realmente não há casos mais leves, como na febre amarela, que possui desde o caso grave até os que não têm sintoma nenhum”, disse Ana Nastri.

Zona rural O primeiro caso do vírus sabiá foi registrado em Cotia, no interior de São Paulo, no ano de 1990. O segundo ocorreu nove anos depois, em Espírito Santo do Pinhal. Os dois diagnósticos mais recentes foram em Assis, em 2019, e em Eldorado, em 2020.

O paciente de Eldorado era um homem de 52 anos que havia caminhado pela floresta na cidade de Eldorado e passou a apresentar sintomas como dor muscular, dor abdominal e tontura. Ele esteve no hospital mas precisou retornar quatro dias depois, quando foi internado. Naquela altura, também apresentava febre alta e sonolência.

Durante a internação, o quadro clínico do paciente foi agravado até ele ser transferido para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), dez dias após o início dos sintomas. O homem estava com sangramento significativo, insuficiência renal, rebaixamento do nível de consciência e hipotensão. Ele morreu dois dias depois.

Em Assis, um trabalhador rural de 63 anos apresentou febre, mialgia generalizada, náusea e prostração. Ele precisou ser entubado oito dias depois, quando seu quadro havia se agravado, com perda de consciência e insuficiência respiratória. Ele morreu 11 dias após os primeiros sintomas.

Transmissão hospitalar O estudo também verificou que não houve qualquer caso de infecção com o vírus sabiá dentro do ambiente hospitalar. No entanto, como são poucos casos registrados, não é possível cravar uma conclusão sobre as formas de transmissão.

“Isso mostra que com as precauções habituais, como máscara, luva, óculos e avental, não houve transmissão, e nos deixa um pouco mais tranquilos em relação ao nosso vírus”, afirmou Ana Nastri.

Fonte: IG SAÚDE

Gostou deste artigo?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
Linkedin
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

© COPYRIGHT O ACRE AGORA.COM – TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. SITE DESENVOLVIDO POR R&D – DESIGN GRÁFICO E WEB