Novo ministro da Justiça é evangélico e já elogiou Lula em artigo

Novo ministro da Justiça, o ex-advogado-geral da União André Luiz de Almeida Mendonça ganhou destaque no noticiário em meados do ano passado, depois que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cogitou a indicação de seu nome ao STF (Supremo Tribunal Federal) e disse que ele se encaixava na definição “terrivelmente evangélico”.

Com 47 anos de idade, 20 deles como advogado da União, Mendonça é pastor da Igreja Presbiteriana Esperança de Brasília — que adota uma linha mais progressista dentro do meio evangélico e evita a abordagem de temas político-partidários em cultos.

Nas eleições de 2018, por exemplo, a igreja usou as redes sociais para pregar tolerância numa campanha considerada pelos pastores como “conflituosa e violenta”.

No comando da AGU (Advocacia Geral da União), ele chegou a apresentar uma posição contrária à de seu antecessor no Ministério da Justiça, Sergio Moro. Mendonça defendeu a criação do juiz de garantias, mecanismo criticado pelo ex-ministro.

Em entrevista ao UOL em outubro do ano passado, o novo ministro da Justiça disse que “agora não é hora” de criminalizar as fake news. Filhos de Bolsonaro são investigados por ligação com o compartilhamento de notícias falsas.

Na vida profissional, seu trabalho mais reconhecido, antes de alcançar o posto máximo na AGU — por indicação do atual presidente o STF, Dias Toffoli —, foi no combate à corrupção.

Mendonça atuou na negociação de acordos entre União e empreiteiras e outras empresas envolvidas em escândalos com o objetivo de firmar acordos de leniência.

Segundo sua assessoria de imprensa, Mendonça se formou na Faculdade de Direito de Bauru (SP). Ele é doutor e mestre em Direito pela Universidade de Salamanca, na Espanha, e também é pósgraduado em Direito Público pela UnB (Universidade de Brasília).

O novo ministro da Justiça diz ser formado em teologia, apesar de não ter diploma válido pelo MEC (Ministério da Educação) e ocultar essa graduação de seu currículo.

Sem campanha por Bolsonaro e elogio a Lula

Mendonça não fez campanha aberta por Bolsonaro em 2018 — seu perfil nas redes sociais revelava mais entusiasmo com a eleição de Marina Silva, então candidata a presidente pela Rede Sustentabilidade.

Em 2002, o atual ministro da Justiça publicou um artigo simpático à vitória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no jornal Folha de Londrina, quando era procurador da União na cidade.

Mendonça não citou o nome de Lula, mas disse que o triunfo “enchia os corações do povo de esperanças” e que as urnas haviam revelado “o primeiro presidente eleito do povo e pelo povo”.

Continue lendo aqui

Imagem: Isac Nóbrega/PR

Gostou deste artigo?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
Linkedin
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

© COPYRIGHT O ACRE AGORA.COM – TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. SITE DESENVOLVIDO POR R&D – DESIGN GRÁFICO E WEB