MPF e MPE ameaçam ir à Justiça caso Gladson decida flexibilizar quarentena

O Ministério Público Federal e o Estadual enviaram ao governo do Acre nesta quarta-feira (10) uma recomendação conjunta para que seja novamente prorrogada a validade das medidas de controle da pandemia de coronavírus. Caso o governo não informe, no prazo de 48 horas, como pretende cumprir a recomendação, o MPF e o MPE poderão tomar medidas judiciais, inclusive por ‘omissão’ em eventos futuros relacionados à doença.

De acordo com o MPF, é ‘gravíssimo o quadro instalado em todo o estado do Acre em razão do crescimento constante de números de pessoas contaminadas e óbitos pela Covid-19’.

Expedida pelo procurador regional dos Direitos do Cidadão, Lucas Costa Almeida Dias, e pelo promotor de Justiça Gláucio Ney Shiroma Oshiro, a recomendação leva em conta as notícias de que o governo, mesmo com o estado batendo recordes diários seguidos de números de infectados e com média de óbitos de aproximadamente dez pessoas por dia nas últimas semanas, cogita liberar o funcionamento de atividades não-essenciais a partir do dia 16 de junho.

Na recomendação, MPF e MPE reconhecem a importância do número de leitos de enfermaria e de UTI e a entrega de hospitais de campanha, ressaltando, porém, a existência de outros critérios a serem cumpridos para o relaxamento das medidas de distanciamento social, os quais não são estão sendo observados no Acre atualmente.

O documento chama a atenção também para o fato de que boa parte das cidades que precipitaram a liberação do funcionamento de atividades não-essenciais acabaram registrando crescimento no número de casos, o que sobrecarregou ainda mais seus sistemas de saúde.

Segundo o MP, o governo deve garantir que um eventual retorno das atividades econômicas não implique em risco ao funcionamento do SUS ou à prestação do atendimento médico-hospitalar adequado aos pacientes contaminados por coronavírus ou outras doenças, bem como seja resguardada “a plena vigilância da saúde e segurança dos trabalhadores pela Secretaria de Saúde do estado do Acre”.

Antes de avaliar a possibilidade flexibilização das restrições, o MP recomenda que sejam atendidas as medidas e critérios orientados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo Ministério da Saúde (MS) e pelo Conselho Estadual de Saúde que sejam de cumprimento obrigatório.

Ao governo, de acordo com o documento, cabe a responsabilidade de manter a lista das atividades econômicas e serviços autorizados a funcionar no período de prorrogação das medidas restritivas, bem como implementar fiscalização efetiva das punições previstas.

Com informações da assessoria de imprensa do MPF

Gostou deste artigo?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
Linkedin
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

© COPYRIGHT O ACRE AGORA.COM – TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. SITE DESENVOLVIDO POR R&D – DESIGN GRÁFICO E WEB