Fachin vetou 10 pedidos contra a Lava Jato antes de anular condenações de Lula


source
Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin
Nelson Jr./SCO/STF

Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin

Desde que a Operação Lava Jato chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF), em 2015, o ministro Edson Fachin já negou pelo menos dez pedidos para que os casos da força-tarefa fossem retirados de Curitiba. As rejeições vão no sentido contrário do que Fachin fez no início desta semana ao aceitar recurso da defesa do ex-presidente Lula e anular todas as condenações do petista no âmbito da operação.

O ministro Gilmar Mendes , que hoje é um dos principais críticos da Lava Jato na Corte e fala em abusos cometidos tanto por juízes quanto por procuradores, já foi um dos que defendeu que a Justiça Federal do Paraná tivesse superpoderes para desmantelar grandes casos de corrupção. As informações são do jornal Folha de S. Paulo .

As ocasiões em que Fachin​ votou a favor de manter sob o âmbito da Lava Jato casos que envolveram importantes nomes da política nacional incluem os que envolvem o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB), o banqueiro André Esteves e os ex-ministros do governo federal Guido Mantega (PT) e Geddel Vieira Lima (MDB), por exemplo.

Em 2017, Fachin enviou à 13ª Vara Federal de Curitiba os trechos da delação da JBS que mencionavam Lula e Mantega, sendo que o mesmo ocorreu em relação à delação da Odebrecht contra o ex-presidente.

Você viu?

Na época, o ministro defendeu o envio dos relatos dos colaboradores sobre supostos crimes cometidos pelo petista a Curitiba, mas a maioria da Segunda Turma do STF preferiu remetê-los à Justiça Federal em São Paulo.

A investigação sobre supostas vantagens indevidas recebidas por Aldo Guedes, ex-presidente da Companhia Pernambucana de Gás, na obra da Refinaria Abreu e Lima também teve o mesmo entendimento de Fachin. Mais tarde, porém, o caso foi deslocado para Pernambuco.

Nesta sexta-feira (12), Fachin reiterou que a decisão de anular as condenações de Lula segue entendimento que aos poucos foi adotado pela maioria dos integrantes do STF. O ministro sempre foi um defensor da Lava Jato e tomou a decisão com objetivo de tirar o objeto de um julgamento que colocava em suspeição o juiz Sergio Moro.

Na leitura de Fachin, o resultado contra o ex-juiz poderia abrir uma avenida para que outros condenados na Lava Jato pudessem recorrer de suas condenações.

Gostou deste artigo?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
Linkedin
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

© COPYRIGHT O ACRE AGORA.COM – TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. SITE DESENVOLVIDO POR R&D – DESIGN GRÁFICO E WEB