Busca por vacinas começa a ter resultado com ajuda do Congresso, diz Pacheco


A “busca desesperada” de governadores e prefeitos pela imunização da população contra a covid-19 começa a dar lugar a um ambiente de relativo otimismo, após ação do Congresso Nacional que permitiu a sanção da Lei 14.125, de 2021. Com ela, se garantiu segurança jurídica para o governo adquirir mais vacinas. A análise foi feita pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, durante a reunião da Comissão Temporária Covid-19 (CTCOVID19), nesta quinta-feira (11), destinada a ouvir governadores.

— Aquilo que o governador Rui Costa [Bahia] destacou como o mais essencial, ele usou um termo muito conveniente, que é a busca desesperada pela vacina, é uma busca que começa a se concretizar a partir de iniciativas do Congresso Nacional, nesse diálogo sempre muito aberto com os governadores e com a sensibilidade do Ministério da Saúde, a quem cabe a responsabilidade principal nesse enfrentamento. Então, nós temos hoje um ambiente de algum otimismo, embora ontem [10] tenha sido o pior dia da pandemia [com quase 2,3 mil mortes], mas de algum otimismo de que começamos a reagir com inteligência e eficácia na aquisição da vacina, especialmente dessas indústrias que tinham cláusulas restritivas — opinou o Pacheco.

Pacheco tem frisado o quanto é importante a união de todos os agentes públicos e da sociedade para a luta contra o Sars-Cov-2, que colocou o Brasil como o epicentro da pandemia no mundo. Ele destacou na reunião a aprovação do PL 534/2021, que originou a lei, como uma dessas ações. Foi a partir de uma conversa com as indústrias farmacêuticas, para descobrir por que as negociações para a aquisição de vacinas da Pfizer estavam travadas, que surgiu a ideia do projeto, de sua autoria. As farmacêuticas têm exigido em seus contratos cláusulas que as isentam de responsabilidades por efeitos adversos, impondo à União a responsabilização integral por eles. A nova lei compartilha essa responsabilidade entre União, governos estaduais e municipais e autoriza que os entes federados constituam garantias ou contratem seguro privado, nacional ou internacional, para a cobertura de riscos.

— Isso poderia gerar estranheza, uma dificuldade de contratação, mas no encontro que tive [com as farmacêuticas] ressaltei que não há outro caminho, precisamos da vacina, do produto, e não mediremos esforços para esse desiderato. E na conversa com o Ministério da Saúde se dizia que precisava de marco legislativo que desse segurança jurídica ao agente público nessa contratação um tanto atípica de assunção de responsabilidade e assim o fizemos, em tempo recorde no Senado e na Câmara — afirmou.

Mais vacinas

Outro ponto positivo do projeto destacado por Pacheco foi a possibilidade de iniciativa privada, indústria, empresariado, federações e confederações ajudarem os governos na aquisição dos imunizantes. O instrumento legislativo permite a participação do setor privado como ações de filantropia, com gestos de solidariedade, para a compra das vacinas e a doação ao Sistema Único de Saúde.

— Não é uma competição entre setor público e privado: é comunhão de vontades, é convergência, é união, é solidariedade. É disso que nós precisamos. Nós não precisamos saber de onde vem, desde que seja certificada a vacina; adquirida por quem for, nós temos que usá-la para vacinar, especialmente os mais vulneráveis, o grupo de risco, no Brasil, de maneira prioritária — opinou.

Os participantes da reunião agradeceram a Pacheco pela aprovação da legislação que amplia a compra de mais vacinas pelo governo. O governador do Ceará, Camilo Santana, parabenizou o Congresso pelo trabalho, que vem garantindo equilíbrio e diálogo neste momento desafiador na história do país.

— Quero parabenizar o Senado pela aprovação da Lei 14.125, que foi muito importante. Aqui não cabe mais olhar para o passado, o Brasil errou na estratégia, mas agora é olhar para a frente e buscar essa vacina o mais rápido possível — afirmou.

Calendário

Rodrigo Pacheco também divulgou aos senadores a resposta do Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ao ofício encaminhado no início da semana em que pedia, junto com o presidente da Câmara, Arthur Lira, informações sobre o calendário de imunização da população.

Pazuello frisou no ofício que o acesso a vacinas seguras e eficazes é prioridade do ministério, pois “a vacinação da população não só salvará vidas como também terá papel crucial em evitar o agravamento da crise econômica e social” e que o cronograma apresentado na sessão temática está mantido, com os 29 grupos prioritários sendo imunizados na ordem e conforme haja doses disponíveis.

“Cabe ressaltar que a Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19, iniciada no dia 18 de janeiro de 2021, acontece de forma escalonada, conforme disponibilidade de doses de vacinas e diretrizes apresentadas no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO).

No ofício, o ministro diz ainda que o calendário pode sofrer atrasos ou modificações se houver contratempos com a produção das vacinas em território brasileiro — Coronavac (Butantan) ou Covishield (Fiocruz) — ou com a burocracia de relatórios para a aprovação ou na importação das estrangeiras — como as do consórcio Covax Facility, ou a Covaxin e a Sputnik V, entre outras.

Pazuelo afirmou ainda que o cronograma de produção informado pela Fiocruz e pelo Instituto Butantan para o mês de março não se alterou em relação ao apresentado na sessão temática: na Fiocruz, haverá uma única entrega de 3,8 milhões de doses; no Butantan, as primeiras 46 milhões de doses estarão divididas em entregas semanais, no total de 23,3 milhões de doses para o mês de março. A União não comprará o insumo farmacêutico para a produção de nenhuma delas.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Gostou deste artigo?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
Linkedin
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

© COPYRIGHT O ACRE AGORA.COM – TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. SITE DESENVOLVIDO POR R&D – DESIGN GRÁFICO E WEB