RJ: Petrobras estuda rever aumento de 50% no preço do gás


source
RJ: Petrobras estuda rever aumento de 50% no preço do gás
Ivonete Dainese

RJ: Petrobras estuda rever aumento de 50% no preço do gás

A desembargadora Regina Lúcia Passos, da 24ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), homologou um acordo entre a Petrobras, Naturgy (antiga CEG), Governo do Estado e Assembleia Legislativa (Alerj) para que a distribuidora pague pelo gás natural um reajuste de 12% sobre a cotação do petróleo Brent, usada como indexador para os contratos de gás natural no país. O índice substituiria o aumento de 50%, pedido pela estatal em dezembro do ano passado.

A proposta ainda será analisada pela Petrobras, e o aumento não será aplicado imediatamente. Segundo a Naturgy, as decisões em caráter liminar — que suspenderam o reajuste em dezembro do ano passado — ainda estão em vigor mantendo os contratos com a distribuidora e os preços, pelo menos durante o período de análise da proposta.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

No final do ano passado, a Petrobras anunciou o aumento em 50% no preço do gás natural nos novos contratos com as distribuidoras estaduais para o ano de 2022. Os preços seriam reajustados em 50% do gás canalizado vendido pela Naturgy (antiga CEG) a partir do dia 1º de janeiro.

Agora, nos próximos 30 dias, serão suspensas ações e recursos em tramitação relativos ao reajuste anual no valor cobrado pela Petrobras para fornecimento do gás natural, embora a liminar que determinou a manutenção dos valores continue em vigor.

Esse aumento de 50% iria impactar diretamente o preço do gás canalizado, o usado por indústrias e o GNV veicular. Mas a concessionária e a Alerj entraram na Justiça ainda no final de dezembro. Foram propostas duas ações – uma da companhia distribuidora de gás estadual, a Naturgy-CEG, e outra da Alerj – que obtiveram liminar suspendendo o reajuste anual.

Nova alta: Petrobras anuncia reajuste de 19% no gás natural a partir de domingo, com impacto em GNV e gás encanado

Na audiência na Justiça, a desembargadora Regina Lúcia apresentou proposta de acordo para o pagamento do índice de 12,6% até o final de 2022. A proposta foi aceita pela CEG, mas os representantes da Petrobras argumentaram que qualquer decisão somente poderá ser anunciada após discussão no departamento de Governança Corporativa da estatal.

Durante a audiência especial, o procurador do estado Antônio Joaquim Pires e Albuquerque e o procurador-geral da Alerj, Sérgio Pimentel, ressaltaram a preocupação em relação a um eventual desabastecimento de gás no estado caso o acordo entre a Naturgy e a Petrobras não seja alcançado.

Já Naturgy apresentou proposta para o pagamento do percentual de 12% pelo período de dois anos, até o final do ano de 2023, garantida a continuidade do fornecimento do gás natural pela Petrobras com a suspensão das ações judiciais. A estatal manifestou que não poderia aceitar em audiência a oferta, antes do posicionamento da Governança.

A Petrobras informou, por meio de nota, que a manutenção do preço é decorrente de uma liminar, e que as partes concordaram em suspender os processos pelos próximos 30 dias para buscar uma solução negociada.

Naturgy ressaltou que o processo foi suspenso por 30 dias para negociação entre as partes. Segundo a empresa, no momento, está mantida a mesma fórmula do preço do gás do contrato firmado entre Naturgy e Petrobras, vencido em 31 de dezembro de 2021, o que já vinha ocorrendo por conta da liminar em vigor.

Outro reajuste O aumento de 50%, contestado pela Naturgy e pela Alerj, é diferente do reajuste anunciado no mês passado pela Petrobras. No último dia 29, a estatal informou ao mercado que aumentaria os preços de venda de gás natural para as distribuidoras em até 19%.

O gás natural é o usado nas residências que têm gás encanado e também é o mesmo do GNV, para abastecimento de carros. É ainda um insumo importante para várias indústrias. Este aumento, porém, não tem relação com os preços do gás de botijão.

No caso do Rio de Janeiro, a Naturgy informou que, no caso do gás canalizado residencial, a alta seria de cerca de 7%, e chegaria a 19% para o GNV. Segundo a Petrobras, os valores se referem ao reajuste trimestral. E refletem a variação do preço do gás devido às mudanças nas cotações do petróleo e da taxa de câmbio. Esse novo patamar de preço vai vigorar até 31 de julho.

Gostou deste artigo?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
Linkedin
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

© COPYRIGHT O ACRE AGORA.COM – TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. SITE DESENVOLVIDO POR R&D – DESIGN GRÁFICO E WEB