Os filhos da empregada, os da madame e a farsa da meritocracia

O mês de dezembro costuma ser muito agitado. Infinitas confraternizações. De amigos, trabalho, turma da pelada, do condomínio… Enfim, é festa para todo tipo de paladar e preferência etílica. Na semana entre o Natal e o Réveillon é que as pessoas se agitam mesmo. Nessa época, a gente encontra com cada figura no elevador! Aquele senhor que mal fala conosco durante o ano todo fica falante e cheio do chamado “espírito natalino”. As senhoras, em geral, carregam travessas de pratos típicos deliciosamente cheirosos. E não falta a caixinha de Natal dos porteiros. No mês de dezembro o elevador de serviço funciona em tempo integral, não sendo desligado para economia de energia elétrica.

E foi exatamente em uma tarde de sábado, antevéspera de Natal, que encontrei com Dona Nazaré no elevador de serviço. Desde criança, quando cheguei para morar no prédio, que conheço Dona Nazaré. Que senhora amável e agradável! Sempre com um semblante feliz.

– Boa tarde, Dona Nazaré, quanto tempo não a vejo. Tudo bem com a senhora?

– Tudo bem, meu filho, e contigo?

– Tudo ótimo, como estão os meninos?

– Estão bem, graças a Deus. Estão chegando para passar o Natal e Ano Novo aqui conosco. Estamos preparando uma festa para chegada deles. Estou agora mesmo indo ao mercado comprar carne moída para fazer a panqueca que eles tanto gostam.

Eu havia perguntado pelos filhos dela. Luan e Natã. Que havia conhecido quando precisei fazer uma minirreforma no meu apartamento. Luan era excelente pedreiro e o Natã muito bom eletricista. Mas ela nitidamente respondeu sobre o Leonardo e o Leandro, filhos da Dona Sueli, sua patroa. Eles eram médicos e há alguns anos moravam no Mato Grosso do Sul, onde tinham uma clínica particular. Dona Nazaré que me contava tudo isso. Ela falava muito mais sobre os filhos da patroa do que dos seus. Ela criara os meninos desde que nasceram. Gostava sinceramente deles.

Tanto os filhos dela quanto os da patroa tinham idades muito parecidas. Mas, os filhos da empregada eram pedreiro e eletricista, enquanto os da Dona Sueli eram médicos. Será que os filhos da patroa gostavam mais de estudar? Ou eram mais responsáveis? Mais inteligentes? Será que tiveram as mesmas oportunidades? Isso é o que chamam de meritocracia?

Para Vincent Dupriez, professor titular da Université Catholique de Louvain e PhD em educação, a noção geral de meritocracia “refere-se ao princípio que estabelece que uma sociedade justa é aquela que dá a todos o lugar que merecem, de acordo com seus esforços e talentos”.

Mas como isso seria possível se a desigualdade é sistêmica e estrutural? Cultural até, eu diria.

Daniel Markovits, professor de Direito na Universidade de Yale, afirma que a meritocracia é uma farsa. Para ele as elites dão educação aos seus filhos de uma maneira que ninguém mais consegue pagar, aí essas pessoas que têm acesso a essa educação incrível transformam o mercado de trabalho de forma que os trabalhos que pagam os melhores salários são exatamente os que exigem as habilidades que só a educação mais cara proporciona.

Talvez alguém diga conhecer exceções, pessoas de classes mais pobres que chegaram a ser um advogado renomado, um médico famoso ou um juiz de direito. Sim, algumas pessoas conseguem sair da armadilha da meritocracia por serem excepcionalmente talentosas ou absurdamente sortudas.

Mas uma sociedade justa não deveria estabelecer suas regras e políticas públicas pensando na maioria das pessoas?

Somente 0,9% dos três mil médicos formados no estado de São Paulo no ano de 2015 eram negros. Será que somos justos com os negros no Brasil? Segundo matéria da Folha de São Paulo, “O medo do preconceito tem obrigado índios que moram em São Paulo a camuflar suas origens para conseguir emprego. Na hora de procurar trabalho, os índios se apresentam como negros, nordestinos ou índios argentinos. E mesmo assim, disfarçados, os indígenas, em geral, só conseguem disputar vagas mal remuneradas que estão à disposição no mercado de trabalho”. Somos justos com nossos índios?

Segundo o escritor mineiro Remisson Aniceto, “Quem se cala diante das injustiças sociais trai o seu semelhante e se acovarda perante a vida” O que temos feito para tentar diminuir essa enorme diferença de oportunidades em nosso país? Isso te incomoda de alguma forma?

Gostou deste artigo?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
Linkedin
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

© COPYRIGHT O ACRE AGORA.COM – TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. SITE DESENVOLVIDO POR R&D – DESIGN GRÁFICO E WEB