Ano pode ter número recorde de internações por acidentes de trânsito


source
Em 2021, país teve 10% mais acidentes de trânsito que em 2020
Marcelo Casal Jr/Agencia Brasil

Em 2021, país teve 10% mais acidentes de trânsito que em 2020

Desde a criação do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em 1997, o Brasil luta para a diminuição dos acidentes de trânsito em grandes cidades, trechos urbanos e rodovias. O que se vê ano a ano, no entanto, é um aumento das ocorrências e dos reflexos, como internações médicas. Os números não deixaram de crescer nem mesmo nos últimos dois anos, quando a população teve sua mobilidade reduzida em razão das restrições impostas pela covid-19. Neste mês, entidades de trânsito e de saúde se mobilizam na campanha de prevenção Maio Amarelo, que visa conscientizar motoristas e diminuir os índices.

Segundo o Ministério da Saúde, em 2020, o país registrou 187.888 hospitalizações de pessoas envolvidas em acidentes de trânsito. Em 2021, o número cresceu 10%, indo para 207.969, e apesar dos dois primeiros meses de 2022 indicarem uma estabilidade nessa média – até agora, foram registradas 31.780 – especialistas apontam que ela pode ser ainda maior.

A Pasta ressalta que “os números não correspondem ao número de vítimas/pessoas ou acidentes, pois uma mesma pessoa pode ser vítima ou sofrer mais de um acidente ao longo do ano”.

“Com essa retomada de final de pandemia – esperamos que seja o final -, a volta o setor econômico, das pessoas na rua, o trânsito voltou. As pessoas voltaram a trabalhar fora de casa, aquela loucura de horário, de chegar atrasado. As entregas que precisam bater metas, antes em ruas vazias, agora em ruas cheias. O reflexo desse aumento nada mais é do que a retomada econômica. Por um lado é otimo, mas pelo ponto de vista médico, é um problema de saúde pública. Apesar de estar em uma média próxima, esse ano tem chance de ser maior que ano passado”, estima Gustavo Tadeu Sanchez, diretor da Sociedade Brasileira de Trauma Ortopédico (TRAUMA).

Os motociclistas são os mais afetados pelas colisões, segundo aponta o Dr. Sanchez. “Temos uma concentração populacional muito grande, cada vez a gente tem veículos com potencia maior, mais velocidade, felizmente nossos meios de transporte também tem se tornado mais seguro, e quando falo isso, falo de carros, até mesmo caminhões, mas as motos, por mais seguras que se tornam, acabam sendo meios de transporte que deixa o condutor desprotegido. Há quem diga que o motociclista é o próprio parachoque. Em um trauma, ele acaba sofrendo ao menos o risco de uma colisão contra o próprio corpo de forma direta ou até mesmo ser lançado.”

O especialista explica as consequências que esses traumas trazem não só para o Sistema Único de Saúde (SUS), mas também para a economia e para a previdência social do país.

“É mais que uma doença, é algo que reflete do ponto de vista econômico para o município, para o estado ou até mesmo a federação. É uma endemia. Temos frequentemente, é um problema de saúde pública e não só do Brasil”, explica.

“Naturalmente, isso também onera a previdência. Vários pacientes deixam de ganhar o seu sustento e passam a precisar de um auxílio, sobrecarregando outro sistema. É muito mais que um acidente, reflete em toda cadeia”, pontua.

Estima-se que nos últimos dez anos, aproximadamente R$ 290 milhões foram gastos por ano pelo SUS com atendimento a vítimas de trânsito. A prevenção e a responsabilidade seriam as únicas formas de prevenir gastos e salvar vidas, mas segundo a última Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), divulgada em 2021 e realizada em 2019, os brasileiros ainda deixam a desejar nesse quesito: apenas 54,6% dos entrevistados pelo IBGE disseram utilizar o cinto de segurança no banco de trás, por exemplo.

A campanha pelo equipamento de segurança ganhou força novamente após o acidente com o ex-BBB Rodrigo Mussi, que ficou por um mês na UTI após uma colisão. Ele não utilizava o cinto.

O Dr. Vincenzo Giordano Neto, presidente da TRAUMA, explica o tamanho desse impacto.

“No caso de uma batida, um corpo solto em um automóvel mantém a mesma velocidade que estava até encontrar uma barreira. Com isso, sem o cinto, em uma batida a 60 km/h, essa será a velocidade com que uma pessoa atinge o para-brisa”.

Fonte: IG SAÚDE

Gostou deste artigo?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
Linkedin
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

© COPYRIGHT O ACRE AGORA.COM – TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. SITE DESENVOLVIDO POR R&D – DESIGN GRÁFICO E WEB